Em nova conversa vazada, Moro foi contra investigação sobre FHC

Senado aprova derrubar decretos de Bolsonaro que flexibilizam porte de armas
19 de junho de 2019
Familiares de vítimas do acidente da Chapecoense pedem ajuda no Senado
19 de junho de 2019

Novas mensagens divulgadas pelo site The Intercept Brasil indicam que o então juiz Sergio Moro e o procurador da República Deltan Dallagnol, coordenador da operação Lava Jato, conversaram sobre denúncias relativas ao ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) em 2017. Enquanto Deltan cita a prescrição de um processo sobre FHC – enviado ao Ministério Público de São Paulo pelo MP no DF -, Moro afirma que “acha questionável” o envio da ação, uma vez que poderia “melindrar alguém cujo apoio é importante.”

As mensagens datam de 13 de abril de 2017, um dia após o Jornal Nacional, da TV Globo, reportar as citações a Fernando Henrique nas delações de executivos da Odebrecht. Emílio Odebrecht, ex-presidente da empresa, relatou o pagamento de vantagens indevidas às campanhas de FHC em 1993 e 1997. O caso foi enviado à primeira instância da Justiça de São Paulo, sobre a qual Sergio Moro, então como juiz federal no Paraná, não tinha nenhuma ingerência. Os diálogos vazados sugerem que Deltan e Moro tinham conhecimento de que os supostos crimes, caso realmente consumados por FHC, teriam prescrito.