Governo não tem solução emergencial para crise em presídio, diz juiz

Trecho da rua Monsenhor Gercino fica parcialmente interditado nesta terça-feira
16 de julho de 2019
Homem é condenado a 12 anos de prisão após homicídio em briga de trânsito
17 de julho de 2019

O juiz de execução penal João Marcos Buch afirmou ontem a vereadores não ter expectativas de que o Governo do Estado apresente uma saída para os problemas do Presídio Regional de Joinville tão cedo. Ele esteve com integrantes da Comissão Especial que trata do assunto, e que visitará o presídio em breve. Uma dessas medidas seria a contratação temporária de agentes e a extinção do semiaberto, trocando-o por tornozeleiras eletrônicas. O presídio tem 604 vagas, mas abriga 1.240 homens. Dispõe de 87 agentes, enquanto Barra Velha, onde há 70 presos, tem 30 agentes. Cerca de 500 presidiários já tiveram penas decretadas e poderiam cumpri-las na penitenciária, mas que também não tem vagas. A maioria, contudo, não tem advogado para pedir a transferência. Por isso, um mutirão da OAB e Defensoria Pública deve ocorrer em breve.