Presidente do Chile é processado por crimes contra a humanidade após violência em protestos

Novo protocolo de atendimento às vítimas de violência sexual é apresentado em Joinville
7 de novembro de 2019
Prisão após 2ª instância pode ser definida após a votação de hoje
7 de novembro de 2019

Chile's President Sebastian Piñera gestures as he speaks at a press conference after the G20 Leader's Summit in Buenos Aires, Argentina, Saturday, Dec. 1, 2018. Leaders from the Group of 20 industrialized nations met for two days in Buenos Aires.  (Photo by Mario De Fina/NurPhoto via Getty Images)

Presidente do Chile é processado por crimes contra a humanidade após violência em protestos.

Manifestações deixaram 20 mortos e milhares de feridos. Há relatos de homicídios, torturas, restrições ilegítimas e abuso sexual. Sebastián Piñera diz que ‘não tem nada a esconder’.

A ação foi movida contra o presidente pela “responsabilidade que lhe cabe, como autor, como chefe de Estado e de todos os que resultem responsáveis como autores, encobridores ou cúmplices de crime contra a humanidade”, destacou o documento apresentado em um tribunal em Santiago por advogados representando organizações de direitos humanos.