Zoobotânico de Joinville alerta visitantes sobre riscos de alimentar os animais

Dia mais frio do ano tem temperaturas abaixo de zero em 69 municípios
20 de julho de 2021
Obras noturnas na rua Anita Garibaldi são adiadas por causa do frio
21 de julho de 2021

Com o início das férias escolares, o Parque Zoobotânico de Joinville é um dos pontos que costuma receber visitantes em busca de contato com a natureza e atividades ao ar livre. Porém, uma prática que deve ser evitada é alimentar os animais que habitam o local, pois isso pode oferecer riscos à saúde e ao bem-estar das espécies.

“Infelizmente acontece com frequência. Os visitantes ofertam biscoitos, pedaços de pão, lanches que trazem para consumir dentro do parque e, no intuito de fazerem o bem, acabam dando aos animais alimentos que não fazem parte da dieta natural”, afirma o biólogo do parque, Sydnei Guimarães Diniz.

A oferta inadequada de guloseimas pode causar problemas fisiológicos e comportamentais, tais como atrapalhar o hábito dos animais de vida livre, desmotivando-os a buscar seu próprio alimento na natureza; danos nutricionais, com a ingestão de produtos processados que contêm corantes e conservantes; e, até mesmo, complicações na deglutição devido à consistência do alimento.

De acordo com o biólogo, as espécies que vivem em recinto e que mais costumam ser alimentadas pelos visitantes, são as aves e os macacos-prego. Mas os animais domésticos que vivem livres no parque, como marrecos, patos e gansos, além dos saguis, também costumam ganhar quitutes impróprios.

Outra prática prejudicial ao bem-estar dos bichos é o arremesso de objetos e materiais com o objetivo de despertar o animal e promover a interação dele com o público.

Sydnei completa que “às vezes, o animal está parado, descansando porque se alimentou há pouco tempo ou está aproveitando o sol para se aquecer. Para vê-lo correndo ou se movimentando, o visitante lança uma pedrinha ou um alimento. Mais uma vez, a pessoa está interferindo na qualidade de vida do bicho”.

Atualmente, o Zoobotânico de Joinville abriga em recinto 145 animais, entre répteis, aves e mamíferos, além dos que vivem soltos pelo parque.

Diariamente, todos recebem os alimentos de acordo com as suas necessidades e na quantidade adequada. O plano alimentar também prevê a alternância de alimentos que ajuda a diminuir possíveis comportamentos condicionados pela vida em cativeiro e preservar as características naturais de cada espécie.

A alimentação fornecida pelo Zoobotânico inclui aproximadamente 25 itens de hortifrutigranjeiros, 18 tipos de ração, frango e carne bovina para os animais carnívoros exclusivos e para outros que também consomem a proteína animal.

Considerado um dos principais cartões-postais de Joinville, o Parque Zoobotânico é um dos locais mais procurados por visitantes locais e turistas. E, para que continue proporcionando entretenimento para o público, é preciso respeitar as regras para a boa convivência com seus moradores, além de utilizar máscara, higienizar as mãos e manter o distanciamento social.

“A orientação de não alimentar os animais é uma das mais repetidas e está presente em diversas placas espalhadas pelo parque. Por isso, pedimos que o público não tenha qualquer atitude que interfira no comportamento do animal”, reforça Sydnei.